quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Da série: Contos portáteis da TROlha...

Mesmo tendo vivido ali por 32 anos, nada daquele ambiente lhe era familiar...Os porta-retratos, a fragmentar a memória em capturas ensaiadas, os móveis envelhecidos pelo uso, com as marcas que davam contorno às formas dos habitantes daquela casa, como sulcos do tempo...


Abriu a porta, trancou por fora, e quebrou a chave na fechadura...O recado estava dado...Não queria voltar, e que ninguém saísse a lhe procurar...





Xacal...
Campos dos G., 23 de janeiro de 2099...Quando não haverá mais tempo para nós...!

4 comentários:

Anônimo disse...

Esse texto é seu? Voce tem lido algum livro de poesias?

Xacal disse...

o texto é meu...o que leio agora é Microfísica do Poder, de Foucault, e termino o Ministério do Silêncio de Lucas Figueiredo...

Não sou chegado a poesia...salvo João Cabral de Melo Neto, Manuel Bnadeira, e Leminski...mas meu contato com eles é superficial...

o texto é, como disse é meu, mas a idéia do "microconto" é do escritor Samir Mesquita, de Curitiba:www.samirmesquita.com.br

um abraço...

Anônimo disse...

Escolheste agora novo caminho,
Que só tu podes prosseguir.
Sempre haverá tempo pra ser feliz!

Bruno Monteiro disse...

Po, no dia do meu aniversário, Xacal?

Gde abs!!