sábado, 10 de outubro de 2009

Goebbels avança...

Recebi, hoje, a denúncia de mais um escândalo, que estaria em curso, na administração municipal...Tudo na calada da noite, longe dos olhos fiscalizadores dos contribuintes/eleitores e das autoridades...

O monitor campista, 3º jornal mais antigo do país, seria adquirido por cerca de 7 milhões de reais pela municipalidade...As negociações entre o secretário de comunicação e os administradores do Jornal do Commercio, detentora da marca do título do jornal campista estariam avançados...Na capital, vários encontros já se deram...

Nos termos do acordo, os funcionários do monitor seriam dispensados, e devidamente indenizados com esse dinheiro, e diante da dificuldade legal em "vender" o título, seria acrescido a marca a epígrafe: diário oficial, como aliás, já foi ventilado na blogosfera, pelo Urgente!, e pelo Estou procurando o que fazer...

Os detalhes continuam, e a razão da "negociata" não se deve a dificuldades financeiras do jornal, como querem fazer acreditar, trata-se de uma manobra financeira para sanear o caixa do Jornal do Commercio, que está a descoberto em virtude de uma transação mal realizada acerca de um imóvel(terreno)na capital...

Na transação, viria uma velha máquina rotativa do Jornal do Commercio, para que a impressão seja executada aqui...

A pueril justificativa que pretendem engendrar os "promissários compradores e vendedores" é a seguinte: aquisição do acervo do jornal...Ora, ora, ora, boa parte desse material já está no Arquivo Público Municipal, e a outra espera a digitalização, pois se encontra nos arquivos da Biblioteca Municipal Nilo Peçanha...Sem mencionar que, a partir da publicação eletrônica do jornal, basta ser assinante, para ter acesso digital às edições, e por conseguinte, arquivá-las...

Por trás disso tudo, os verdadeiros motivos, supomos:

Tentar calar a última cidadela de jornalismo com tintas mais independentes em relação a administração municipal, embora seja necessário reconhecer as contradições de fazê-lo, enquanto gozavam de uma "mesada"...

Com a palavra, as autoridades, para que se pronunciem diante dessa vergonhosa privatização de recursos públicos, ao arrepio da moralidade administrativa, e quiçá, da legalidade...

7 milhões seria pagar duas vezes pelo mesmo produto, ou fazer a "assinatura" mais cara do mundo...




5 comentários:

Jane Nunes disse...

Quando o Urgente anunciou a suposta venda, tinha saído do jornal e não havia nenhum comentário no jornal sobre o assunto,mas acho que agora as coisas começam a fazer sentido sim. Não estava na redação na hora, estava até fora de Campos apurando matéria mas os demais colegas estavam e realmente esteve uma pessoa da prefeitura " contando as cabeças" e levantando os equipamentos.

Anônimo disse...

Boa tarde Xacal,

Tenho a obrigação de informar a vc e aos seus leitores que quando da criação do Arquivo Público Municipal, o acervo do Monitor Campista (por conter o Diário Oficial do Município)foi integralmente transferido da Biblioteca Municipal Nilo Peçanha para o APM.

Para que os dados sejam ainda mais exatos, decidiu-se à época de implantação do APM, adotar os critérios técnicos nacionalmente praticados por instituições de mesma natureza, o que significa que na BMNP ficam arquivados os exemplares dos últimos 20 anos para facilitar a vida do consulente que por ventura necessite cópia de algum ato oficial do poder executivo municipal. A cada término de ano deve ser transferido da BMNP para o APM todos os exemplares referentes ao que se findou.

De janeiro de 2005 a 11 de março de 2008, estive na presidência da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, orgão ao qual se subordina a BMNP bem como o Arquivo Público Municipal. E, até aquela data, posso assegurar que tinhamos todo Monitor Campista arquivado e devidamente preservado. Álias, não poderia deixar de registrar aqui o empenho, idoneidade e profissionalismo do Sr. Carlos Freitas, museólogo e, por nós designado para o cargo de Diretor do Arquivo Público Municipal.

Terminando, esclaro que ainda na pior das hipóteses, caso algum examplar do Monitor Campista tenha desaparecido ou mesmo tenha se deteriorado, a Biblioteca Nacional, como depositária legal, o tem.
cordialmente,

Luciana Portinho

Anônimo disse...

Está na hora do povo fiscalizar e exigir total transparência do poder público

Anônimo disse...

é um absurdo! será que o ministério publico vai deixar a PMCG fazer isso? Será que o secretário de comunicação dos governos garotinho, não está passando dos limites? Será que é dor de cotovelo, por ter perdido o controle do jornal O diario?

Anônimo disse...

E o "escândulo" dos vereadores ligados à prostituição infantil? Falou-se muito, muito suspense, mas nada de concreto apareceu. Seria isso verdade mesmo? Está parecendo mais aquela coisa que fica criando fatos para tentar desestabilizar o adversário. Fazem uma tempestade e depois esquecem...