segunda-feira, 19 de outubro de 2009

A Inteligência...

Aviso: esse texto é um delírio, e como tal deve ser tratado...

Os editores aqui da TROLha são analfabetos cibernéticos...Resumimos nossas habilidades a publicar essas baboseiras que nossos treze leitores(as) insistem em ler...

Não temos a familiaridade com os temas da telemática, das convergências, sinergias, e outros termos relacionados a revolução tecnológica, que, hoje, parece que nos envolve e nos move...

No entanto, eu sempre fui apaixonado por ficção científica...Não só pelo entretenimento, mas pela possibilidade de expansão que ela provoca na compreensão humana...Conceitos caros, e hoje comuns a nossa sociedade, já eram ventilados nas criações dos roteiristas, diretores e escritores do gênero...
Exemplos não faltam, e se muita coisa não se realizou(ainda), por outro lado, em muitos casos, foi a criatividade e a imaginação que anteciparam as atuais possibilidades científicas...Como dissociar o Homem de Seis Milhões de Dólares com os avanços das próteses para reabilitação de pessoas com deficiências e mutilações...?
Não se trata de prever o futuro, mas é inegável que as idéias da ficção parecem aguçar a curiosidade científica humana...
O que seria da conquista do espaço, e os trilhões de dólares investidos, com toda a gama de conhecimento apreendido, se não houvesse a obsessão pelos extraterrestres...?
O que seria da teoria da relatividade, e todos os avanços da física sem nossa vontade de viajar e manipular o tempo...?
Um dos mitos principais da ficção científica, desde que o homem começou a imaginar que algum objeto ou máquina possa substituir o raciocínio humano, inclusive, com sua capacidade de abstração, é que seríamos dominados por traquitanas dotadas de inteligência artificial...

A ciência, por sua vez, persegue a construção de processadores(que nada mais são que neurônios feitos de silício)capazes de assumirem todas as funções do nosso cérebro...

Dias desses fiquei matutando...A falha, ou nesse caso, o insucesso do raciocínio dos cientistas que buscam a construção de uma máquina capaz de pensar, e tomar suas decisões, bem como antecipar essas decisões baseadas em possibilidades, ou enfim, "imaginar" cenários, é que não basta adicionar capacidade de processamento a armazenamento de informação nesses circuitos eletrônicos...
Era preciso "alimentar" esses sistemas com "história e cultura", com "vivência humana"...

Bom, eu acho que essa barreira está prestes a ser rompida...

Na verdade, sites de busca como Google(hoje, o mais poderoso), que "sugam" nossas preferências, nossa localização, nossa rotina, nossos livros, imagens, enfim, que absorvem toda a informação que transita em nossas sociedades, serão capazes, em breve, de "pensarem por si mesmos"...

Os programas operacionais como os fornecidos pela Microsoft já são passado, e os computadores pessoais não são mais simples "caixas de arquivos e operações"...Todos os serviços, antes realizados em sistemas operacionais que não se comunicavam entre si, são, agora realizados em sistemas de navegação, onde "A inteligência" é o depositário das informações de todos os usários, em seus mínimos detalhes...
Com as redes sociais, como blogs, orkuts, etc, etc, "ensinamos" ao computador como "conversar", e como nos organizamos e hierarquizamos nosso valores...

Em breve, o termo inteligência humana e artificial estarão obsoletos...Haverá só uma inteligência...Com todas as informações "humanas" à sua disposição, computadores, enfim, poderão "pensar como nós", criando assim uma inteligência híbrida: A Inteligência...


Aviso: esse texto é um delírio, e como tal deve ser tratado...

5 comentários:

Anônimo disse...

É...só mesmo com muita droga na cabeça!!!!!!!!!!!!!!

Xacal disse...

meu caro comentarista,

obrigado pelo comentário, mas essa afirmação é baseada e alguma experiência pessoal...?

eu, de minha parte, acho que a lucidez é "uma droga" bem mais poderosa, e por isso escolhi ficar "viciado" nela...

mas como já disse, aqui, não há julgamentos, e se você acha que para "viajar" e escrever textos improváveis ou "delirantes" é preciso estar sob efeitos alucinógenos, é sua escolha, não minha...

em suma: não julgue os outros por si mesmo...

um abraço...

ps: o termo delírio, não deve ser levado ao "pé-da-letra", pois é uma brincadeira, para "classificar o texto"...
ps2: eu nem sei quem é mais "louco", eu de escrever ou você de tentar criticar...

Ana Paula Motta disse...

Adorei o delírio. Delírios inteligentes são para alguns, tanto leitores como autores, ou tudo isso junto.Viajei nessa...

Marcos Valerio disse...

Hi cara fiquei com saudades do Cap Kirk e até do Cap Asa, rs, muito bom esse delírio, eu por cá de vez em sempre ando com isso, faz parte do raciocinio criativo como vc bem expressou...
Abraços!

gentil carioca disse...

Não vi delírio nenhum, muito pelo contrário: vc fez analogias inteligentes e absolutamente lógicas.
Ousaria ir ainda mais longe: não é a máquina que se transformará e sim nós, humanos, é que seremos máquinas-computadores. Teremos chips implantados pelo corpo, todos conectados numa única rede de comunicação universal. Seremos informação pura, como num imenso cordão umbilical cibernético. Nosso frágil corpinho será obsoleto, o artificial será normal
(tem um artista sobre o qual escrevi em meu blog, o australiano Sterlac, que trabalha com esse tipo de "questão". Acho que vc curtiria).
Continue com seus "delírios". São ótimos.