segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Destaque da TRolhA...

Se fôssemos chegados a uma "gabolice", sacaríamos um comentário muito em voga, dentre os "colonistas" da cidade, e seus jornais de coleira...Diríamos que o governador anda lendo a TrOLha...

Brincadeiras à parte, muito nos satisfaz que esse debate(sério)esteja colocado em pauta pela autoridade máxima do Estado...

Ainda que a agenda eleitoral se aproxime...Ao que parece, cabral jr, de quando em vez, se lembra das tradições democráticas e intelectuais da família...

Leia o texto retirado do blog das menInas superpoderosas, estouprocurandooquefazer.blogspot.com:

Para Cabral liberação do uso de drogas reduziria ciclo da violência


O governador Sérgio Cabral defende uma medida polêmica: a liberação do uso de drogas, desde que como aval de foros internacionais coordenados pela Organização Mundial de Saúde, para o país não virar uma "Walt Disney da droga". Para Cabral, "a proibição pela proibição traz uma quantidade de mortes muito maior do que se tivéssemos uma legislação mais inteligente, mais voltada para a vida como ela é". Criticando a posição dos EUA sobre o tema - "a vanguarda do atraso" - o governador também adiantou que dobrará os investimentos em meio ambiente com os recursos do pré-sal.
Fonte: Jornal do Brasil

3 comentários:

Roberto Torres disse...

Eta contradicao nossa de cada dia.

Xacal disse...

pois é Roberto...

mas eu, sinceramente acho, a despeito do que você já sabe o que penso sobre o governador, que, esse é uma ato corajoso de sua parte...

colocar esse tema na pauta, com a agenda eleitoral "em cima", é arriscado...

penso que o governador está em um beco sem saída...

não há possibilidade de lidar o problema, o Estado e a sociedade chegaram a um ponto extremo...sem volta...ou derrubamos os paradigmas, ou pereceremos todos...

eu, de minha parte, já desisti em minha instituição..."cansei de remar contra a corrente"...

pensar, e agir como se pensa, só traz sofrimento...êta contradição dolorida, sô...

um abraço...

Roberto Torres disse...

pois é, ele ja nao pode recuar.