sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Destaque da TRolhA...

Essa é do Sátiro, um blog gaúcho que atazana a yeda cruz credo, e o resto da demotucanalha...

SEXTA-FEIRA, 6 DE NOVEMBRO DE 2009

SOBRE A INVEJA

... lembram desta foto?

... pois é !

4 comentários:

Anônimo disse...

...

Segundo: relação com país não é relação com governante do país. Ou será que estou enganado? A cada eleição num país é reconsiderado se haverá continuação de relacionamento diplomático? Se o Serra ganhar, ou a Marina Silva, todos os países do mundo que mantêm relações diplomáticas com o Brasil reconsiderarão essas relações? É assim que funciona?



Se for, volto ao ponto: por que, na hora em que os Estados Unidos promoveram duas guerras de agressão e criaram aquela coisa abjeta chamada campo prisional de Guantánamo, todo mundo não tratou de reconsiderar as relações diplomáticas com aquele país? E foi Ahmadinejad quem estourou a bomba na Argentina? Foi ele mesmo, ou gente do país dele? Então que salada é essa?



Querem mandar-me, amigos, emails criticando a visita de Ahmadinejad ao Brasil, ou boas relações entre Lula e Chavez, ou o que seja? Então deixo a informação: esses emails fazem-me simpatizar cada vez mais com figuras como Ahmadinejad e Chavez. Porque começam a aparecer, para mim, como vítimas de tendenciosidade. O diabo da era da Internet é que a gente vai ganhando visão de conjunto. Antigamente era mais difícil. Assim, se, como disseram na televisão, o Brasil tem uma política externa de Guerra Fria, os emails circulares da Internet parecem partir da presunção de que a era da informação abrangente via Internet ainda não começou e portanto pode-se divulgar, com sucesso, propaganda dos tempos da Guerra Fria. Parecem, esses emails, supor que nós fiquemos, para nossa informação, adstritos a eles, sem ler nada mais. Acorde, gente: hoje sabemos o que se passa em Guantánamo, sabemos das instalações secretas da CIA, sabemos da entrega sem ordem judicial de pessoas presas presumidas como terroristas a países fora dos Estados Unidos para serem torturadas, sabemos do meio milhão de crianças iraquianas mortas pelas sanções dos Estados Unidos, sabemos que nos Estados Unidos um acusado de terrorismo, a critério das autoridades, poderá ser privado de todos os direitos de defesa e de direito à integridade física e psicológica, sabemos que os advogados não têm acesso a seus clientes, e sabemos muito, muito mais. O Brasil, se assim chamarmos grande número de brasileiros, parece continuar no tempo da Guerra Fria também ao mandar emails. Pensam que não sabemos das coisas. Mas sabemos.



Agora: se buscam apenas desabafar sua raiva e indignação, usando-nos como penico, tudo bem. Amigo é para essas horas. Se, porém, o que buscam é resultados, uma sugestão de marketing: por que não começar por não insultarem a nossa inteligência? Aí, quem sabe, até poderá funcionar.



E os autores desses emails deveriam ler mais artigos internacionais, hoje de fácil acesso na Internet. Poderiam ficar muito melhor informados. Por exemplo, poderiam começar a desconfiar de que a Guerra Fria, sabiam, acabou. E que os países hoje têm condições de ser muito mais independentes, e não satélites.



Murilo - Brasília, 25.11.2009

Murilo Otávio Rodrigues Paes Leme

Anônimo disse...

xacal,

leia e pense !

Subject: Ahmadinejad, Chavez e a Política Externa dos Tempos da Guerra Fria do Brasil


Eu não pretendia escrever a respeito, mas agora abundam em minha caixa de entrada emails criticando a visita de Ahmadinejad ao Brasil e, de carona, as boas relações do Brasil com a Venezuela, por exemplo. Outro dia, num debate na televisão, ouvi que a política externa do Brasil é toda do tempo da Guerra Fria e que a China seria o primeiro país do mundo a fugir do modelo da Guerra Fria, com uma política externa voltada para benefícios ao país e não para a repulsa ao estrangeiro. A China, assim, está lá na frente, e nós, aqui, passamos atestado de país satélite. Satélite? Bom, não foi Marx quem disse que a idéia dominante é a idéia da classe dominante? No caso, do país dominante? Às vezes me parece milagre mantermos relações diplomáticas com Cuba. Mas depois fica claro: temos relações com Cuba, desde que o governante de lá não resolva nos visitar. Não é um tipo de relação diplomática pitoresca?



Não entendo, juro. O que Ahmadinejad ou Chavez terão feito que Bush não tenha feito, e pior? Quando é que, em solidariedade às centenas de milhares de inocentes mortos no Iraque e no Afeganistão, em guerras puramente de agressão dos Estados Unidos, brasileiros fizeram protesto contra a visita de Bush e, aliás, de qualquer presidente estadunidense ao Brasil? No entanto, agora começam a cobrar até pela explosão na Argentina (o Brasil deveria ser solidário etc.). Então, o primeiro ponto é: o que Chavez e Ahmadinejad fizeram que Bush e, agora, Obama, não tenham feito muito pior? Que eu saiba, Ahmadinejad não invadiu a terra de ninguém. No entanto, quando disse que não acreditava no assim chamado Holocausto (que eu saiba, o Ocidente jacta-se de permitir a liberdade de crença e, consequentemente, de descrença), é uma gritaria danada. Já quando Bush quis forçar nas escolas aquela idéia da criação inteligente do mundo, não ouvi quase ninguém falar nada. Parece-me óbvio que as críticas a Ahmadinejad e a Chavez são tendenciosas. E aí não importa mais se fundamentadas ou não. Fundamentadas por fundamentadas, as críticas deveriam ser feitas, nesses emails circulares, a qualquer governante de país que quebrasse, por exemplo, a lei internacional, Estados Unidos e Israel incluídos. Não acontece. Não dá para aceitar esse tipo de coisa.

Xacal disse...

Caro comentarista,

Para ilustrar seu comentário sugiro uma leitura da Carta Capital dessa semana...Sobre o Irã...

A revista traz os problemas do país, mas nos revela alguns pontos para além dessas imbecilidades que povoam o noticiário e a rede...

Um país com o dobro de nosso renda per capita, considerável parque teconológico(em boa parte em virtude da guerra, é verdade, mas tal e qual os EEUU), e que dentre os aspectos que mais me surpreenderam está o seguinte:

Lá vivem 30 mil judeus, que se negam a sair do país para um assentamento qualquer em Israel...

Há outros dados, como o recorrente: a política externa da casa branca foi a responsável pelo recrudescimento do regime, quando bancou um golpe contra um governo nacionalista...o motivo: petróleo, é óbvio...

com a instalação da miséria e autoritarismo dos xás, os aiatolás personificaram a revolta, e se aproveitaram dela para tomar o poder e instalar sua teocracia...

um abraço...

Anônimo disse...

É repugnante o posicionamento da oposição ao Governo brasileiro. O Demo e a Tucanalha não se cansam de criticar a visita de Ahmadinejad ao Brasil.
Na semana anterior o Governo Israelense também visitou o Brasil, todos sabem que esse Governo matou e continua matando palestinos inocentes, principalmente civis e crianças. A tucanalha, apoiada pelo Demo, não teceu uma crítica sequer, claro, o terrorismo israelense é apoiado pelos Estados Unidos.
Pela primeira vez na vida estou vendo o Governo brasileiro com posições mais afastadas do acovardamento cômodo vivido em épocas anteriores.
Qual será o pior país para o mundo, o Irã, que procura ver sua soberania respeitada da única forma possível: pela força bélica; ou os Estados Unidos, que vive arrumando confusões e guerras pelo mundo. Se analisarmos o comportamento dos Estados Unidos após o fim da União Soviética, veremos que até hoje não ficaram sequer um dia sem estar em guerra.
Antes eles patrocinavam as guerras: Irã x Iraque, URSS x Afeganistão, etc.
Após o fim da URSS os EUA já guerrearam com Afeganistão, atacaram a Líbia e Iraque por duas vezes.
E não parece que o apetite por mortes vai cessar ou diminuir, na era Obama.
A última dos americanos é implantar a discórdia aqui na América do Sul, com a implantação de base militar na Colômbia, fato que fará com que o progresso dos países latinoamericanos diminua, pois precisarão se armar para não ficarem totalmente vulneráveis.
Claro, com isso venderão armas. Ainda temos que consid