segunda-feira, 16 de novembro de 2009

O mito da ineficiência...

Os mitos servem a várias causas, desde a mais tenra Humanidade...Antes, explicavam o que escapava a nossa compreensão...

O avanço da ciência e o aprofundamento da complexidade das sociedades, restringiu esse aspecto mítico ao seio das denominações religiosas, enquanto os "mitos modernos" se prestavam a outras funções, também mais complexas...

Em nossa rasa e rala opinião, hoje, esses mitos servem a encerrar em si mesmos, os conceitos e acúmulo ideológico das sociedades, como forma de diluir essa premissas, e em certos casos, ocultá-las, em consensos de, e entre classes...

Assim se construiu o "mito da ineficiência" da Segurança Pública e das forças de combate ao crime nesse país...

Esse mito se presta a ocultar uma construção ideológica de Estado bem definida...

À guisa de um primeiro exame, nosso aparato estatal de Segurança Pública, representados no binômio polícia-justiça apresenta uma face visível que nos sugere o reforço do mito, principalmente, se considerarmos que nossa percepção é, em boa parte, elaborada a partir de repercussões midiáticas...

Alto número de mortes violentas, tráfico de drogas, roubos, etc, etc, etc...

Enfim, um caos...

Mas um olhar mais elaborado sobre os números vão decifrar o mito, e colocar nossas forças persecutórias e punitivas como as mais eficientes do mundo...

Olhemos, primeiro os números da morte...No Brasil, como já foi exaustivamente dito, ela tem idade, cor e classe social: pretos, entre 19 2 24 anos e moradores de favelas...

Olhemos as taxas de resolução desses crimes, que gira entre 3 e 6 % em média nacional...Mais grave é se considerarmos que essa taxa de resolução é quase em suas totalidade dedicada aos crimes de "repercussão", quer dizer, quando as vítimas são integrantes dos estratos mais altos da sociedade...
Aos mais pobres, pretos e favelados, a indiferença ou o a justificativa clássica de "suspeito padrão", abrindo campo para a política pára-oficial de extermínio...

Olhemos agora para a população carcerária...Ela também pode ser definida nos mesmos parâmetros, ou seja: se você é preto, pobre e jovem no Brasil, você tem largas chances de estar preso(se estiver escapado da morte)...

Agora, voltemos nossa atenção aos crimes patrimoniais, incluídos aí os roubos e furtos, como os de maior incidência...A taxa de resolução é muito mais alta, entre 40 e 60%, e à medida que os valores dos bens subtraídos sobem, também aumentam as chances de resolução, em proporção quase que direta...

Saltemos para os crimes considerados de "colarinho branco" e toda a sorte de fraudes...O nível de resolução/condenação decresce consideravelmente...Tomemos como exemplo a mais alta corte do Brasil, o STF, a quem cabe, por competência de foro privilegiado, processar e julgar os acusados que ocupem certos cargos políticos...Nenhuma condenação até HOJE...

Desta feita, misturando esses números, podemos desmascarar o mito, e dizer: Nosso aparato policial-judicial funciona, e muito bem...A pergunta é: funciona para quê e para quem...???

Para proteger certas "castas" e "caçar" outras, a nossa Polícia e a Justiça tem feito um ótimo trabalho, ainda mais se considerarmos os níveis africanos de desigualdade social que enfrentamos, o que, em potencial, é uma ameaça a tão frágil trama social...


Temos uma Polícia e Justiça eficientíssimas, dentro dos parâmetros sobre os quais se erige nosso modelo de Estado...


3 comentários:

Anônimo disse...

Xacal... voce mora mesmo no Brasil ?

O cidadao normal vive sendo achacado por policiais nas ruas em busca do famoso "cafezinho".

Eu sei que nao sao todos, mas uma boa parte das pessoas nao abastadas ja sofreram algum tipo de abuso policial.

Entretando, devo dizer que concordo com seus argumentos sobre mitos e sucateamento do aparato, este ultimo abordado em outros topicos.

No mais, espero que voce reveja a decisao de extinguir o blog, que presta um excelente servico a sociedade.

Abracos.

Xacal disse...

mas esse, caro comentarista, é outro viés dessa "eficiência"... a polícia mal paga e desavalorizada, corrupta, ataca os mais pobres, enquanto "negocia" com quem tem mais dinheiro e status social....


um abraço...

Xacal disse...

Continuando:

e veja, meu caro que nesse "cafezinho", há os que vendem "favores" e os que os "compram"...

essa relação espúria, mas conveniente a sociedade, nasce da infração ou do crime, ou seja: policiais, raramente, achacam quem cumpre seus deveres, e ninguém "paga" por favores dos quais não necessita...

assim, estabelece-se um liame de cumplicidade, onde é difícil estabelecer que é pior...

mas não se trata de "julagamentos morais"...queremos debater o porquê as coisas se encaminham a tais dilemas...

ora, veja que a precariedade das polícias(não só salaria, ressalte-se) fornece os "argumentos" que elaboram essa "troca de favores"...

você imagina que o mecânico que quebra um "galho" para consertar uma viatura não terá atendimento "diferenciado"...???

ou em escala mais alta: o eike batista que doou viaturas a polícia de sjb terá o "mesmo" atendimento do restante dos cidadãos...????

são essa perguntas que devemos responder, para que encontremos soluções para termos um Estado e uma polícia que funcionem para TODOS e não apenas para alguns setores(mais pobres)da sociedade...

funcionar aqui no sentido de "perseguir", que fique claro...