terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Obituário da TROlhA...nº 3

Eu não me canso de dizer que a melhor metáfora que define Campo

Eu confesso que fiquei um pouco envergonhado de publicar esse texto do "alemão" Brand Arenari, outro "camarada" com quem mantivemos intensa interlocução nesses últimos dois anos, tanto aqui, como lá no blog Outros Campos...
E não é falsa modéstia, até porque o xacal não cultua a falsidade, nem tampouco a modéstia...
Mas o que podemos dizer, além de agradecer a generosidade dos integrantes da Academia, manifestada por manterem contato com um "bárbaro"...
Acho que disso tudo, fica o mais importante: a possibilidade de diálogo entre esferas tão díspares, e entre interlocutores com "ferramentas" tão diferentes...
Leiam aí o texto enviado pelo Brand, para o nosso obituário...Como ele assinou, o problema é dele...rsrsrs...

A morte e a morte do Xacal

Eu não me canso de dizer que a melhor metáfora que define Campos dos Goytacazes é a do deserto, não um deserto natural, mas artificial, uma terra devastada, sem perspectivas e sem esperanças. Campos é um deserto de horizontes políticos como também de horizontes intelectuais (e essas coisas andam sempre juntas).
Mas como todos sabem só loucos regam um deserto na expectativa que dali nasça flores e frutos. E o blog “A Trolha” tem sido nestes últimos tempos não somente um louco regador do deserto, mas muito mais, um pequeno oásis, onde loucos como eu e muitos outros possam vir buscar um pouco de água para fazer também sua insana irrigação. E assim, esperar, não menos insanamente que, como disse o profeta, esse “sertão um dia vire mar”.
Diante da improdutividade árida de nossos jornais, de nossos políticos e partidos, o blog “A Trolha” nos dá algumas possibilidades de imaginar um futuro diferente para Campos.
No entanto, o sucesso do blog “A trolha” não se deu por sua impessoalidade, mas ao contrário, ocorreu devido à figura carismática e irreverente de seu personagem principal, o “Xacal”. Além de uma crítica ácida contra a horda de “orcs” que tomou Campos de assalto (tanto a horda dos “telhadeiros” como também dos “garotistas”), não faltou boas gargalhadas dos leitores como as alcunhas e tiradas do Xacal.

Eu particularmente gosto muito do termo “caolho na cidade” e alguns outros.

Mas como último “prano” gostaria de atestar aqui a minha admiração intelectual pelo Xacal. Eu tenho a certeza que se juntarmos as redações dos jornais de Campos “não dá” um Xacal. Mas como talvez isso não seja um grande elogio, eu gostaria de dizer que entre os meus seis anos cursando graduação em Ciências Sociais e mestrado em Cognição e Linguagem na UENF, e nos meus curtos seis meses como doutorando no IUPERJ, como também e nos meus três anos como doutorando em sociologia na universidade Humboldt de Berlim-Alemanha, encontrei poucas pessoas (incluindo alunos e professores) com tamanha sensibilidade intelectual para o universo social e da política como o Xacal.

Se hoje nós sabemos muito bem que um presidente da república não precisa necessariamente ter um formação acadêmica para ser um grande presidente, Xacal nos mostra que para ser um intelectual também não precisa necessariamente de uma formação acadêmica.

Como exemplo disso, da mesma maneira que eu tenho orgulho de ter estudado na Universidade Estadual do norte fluminense DARCY RIBEIRO, pela figura admirável que o Darcy foi, como também por me doutorar-se numa universidade que leva o nome dos irmãos Humboldt, acredito que o Xacal possa se sentir e orgulhar-se de ser Doutor em Ciências Sociais pela universidade livre da vida LUÍS INÁCIO LULA DA SILVA.

Um grande abraço Xacal, e espero que o espírito do Xacal possa reencarnar na blogesfera como outro nome, outro blog, mas o mesmo espírito.


2 comentários:

Anônimo disse...

Acho que ele falou tudo que eu gostaria de ter dito e não consegui com meus parcos conhecimentos da língua portuguesa!rs
bjoss
Mariana

Xacal disse...

Tanto uma como a outra, são diferentes formas de expressar um mesmo conteúdo, pelo qual, agradeço...

beijocas, doce Mari...