terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Outras questões ambientais...

Um dos exemplos das contradições entre desenvolvimento econômico e preservação ambiental é a questão dos carros particulares...

A posse e uso de veículos leves de passeio é um desastre para o planejamento das cidade, altera estruturas e ferramentas urbanas, consomem bilhões de recursos em segurança e engenharia de trânsito(roubos, furtos, gerenciamento de tráfego, etc), alteram as curvas de saúde pública e expectativa de vida, e por derradeiro, aumentam as emissões responsáveis pelas alterações climáticas...

Por outro lado, a cadeia produtiva do automóvel atrela toda a economia mundial, em diferentes níveis de dependência, mas que no Brasil e EEUU, por exemplo, são centrais...

Esse ano, por mais paradoxal que seja, o Governador de SP, ainda que se considere a natureza eleitoral da medida reduziu o IPVA para novos licenciamentos, para seguir a tendência de aumento das vendas de automóveis(provocados pela redução de tributos federais, o IPI), e evitar que essas receitas migrassem para o vizinho Paraná...

A despeito disso tudo, fica a impressão de que estamos reféns de um dilema insolúvel, ou um beco sem saída...Engarrafados...

É necessário que se viabilize alternativas de transporte público e solidário, em detrimento do uso do carro...Ao mesmo tempo, nossa economia e os empregos dependem da produção de carros, dentre outros itens...

São vários dilemas...

Quer ver outro:

As famigeradas sacolas dos supermercados...Por motivos já sabidos, são nefasts para o ambiente...

Mas o contraponto: Alguém já experimentou misturar itens de limpeza, com verduras, carnes e outros gêneros alimentícios nas sacolas de reutilizáveis de pano...???

Infelizmente, essa idéia só era possível quando nossa dieta e lista de compras se resumia a dez ou quinze itens...Uma lista de compras de uma família tem, em média, 70 ou 80 marcas, com quase 150 ou 180 itens...

A alternativa são as caixas de papelão...

O papel é feito de celulose...Celulose no Brasil é produto do eucalipto que por sua vez, ocupa enormes faixas de terra, em regime de monocultura, com agressão ao solo, aos recursos hídricos e ao ecossistema, com desaparecimento de espécimes, substituídas por pragas dessa cultura: formigas e insetos...Para conter essas pragas: defensivos agrícolas...

A reciclagem do papel/papelão não satisfaz a demanda que surgirá com a abolição das sacolas plásticas...

São escolhas e problemas que têm que ser discutidos com clareza, e sob a ótica do interesse público, e não dos lobbies...

3 comentários:

Anônimo disse...

Caro Xacal
Tudo isso é questão de educação.
Mais escolas e faculdades
Mais professores
Mais policiais
Menos Politicas eleitoreiras

Eraldo Paulino disse...

Se as pessoas tivessem transporte público de qualidade, usariam os carros em situações mais esporádicas. O caos no trânsito está ligado principalmente com a ida ao trabalho, se houvesse mudança de paradigmas quanto a isso, como ônibus executivo pra pegar funcionários, etc...

Quanto a questão da sacola re-utilizável, não precisa papelão, é só haver sacolas com vários tamanhos pra por dentro das maiores, ou bolsas com um isolamento, que poderia até ser de plástico, desde que não fosse ser jogado na rua na hora seguinte, haveria bem menos agressão à natureza.

De qualquer forma, não tem jeito, a natureza só sobreviverá com mudanças de hábito.

Xacal disse...

O problema Paulino, meu caro, é o custo...

NO caso das sacolas, o preço permite diluir esse custo na margem das mercadorias, e assim, o cliente nem perecebe que paga, e pensa até que é de "graça"...

Já nas sacolas reutilizáveis, o custo é tamanho que elas são vendidas nos check-outs(caixas)...

E aí a pergunta: por que nós é que devemos pagar por isso...?

Quem lucra com a atividade é que deeria pagar os ônus da mesma, não...?

Um abraço, e obrigado pelos comentários...