quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Pré sal e Copenhague: misturando óleo com chocolate...

Embora os dois temas pareçam distantes, tanto pela natureza, quanto pela geografia, um exame mais próximo dessas questões, o marco regulatório da exploração da camada do pré-sal, com as metas de limitação de emissão de gases de efeito estufa, estão, umbilicalmente, ligadas...

Trata-se, no fim das contas, em Copenhague, de que tipo de combustível moverá o mundo, e quanto dele pode ir parar na atmosfera...

Assim, setores da mídia e da oposição, irmanados na tarefa de criar constrangimentos ao governo Lula, acabam por se render aos interesses que dizem "querer" combater na questão ambiental...Ou seja: querem frear as emissões, mas defendem os interesses das empresas exploradoras de petróleo...Uma contradição que não é novidade...

Explicamos:

O modelo de partilha, defendido pelos "ambientalistas do PIG", que prevê leilões dos blocos(campos)de exporação, com a alienação(transferência)das áreas para o setor privado(leia-se:grandes consórcios das empresas petrolíferas), onde o Estado deixaria de ser o "dono" dessas gigantescas reservas, é um desastre para o ambiente e para os compromissos de redução de emissões...

Empresas se movem pelo lucro(é óbvio), e pela lógica de mercado...Logo, a tendência é essas empresas aumentem a produção, e diminuam essas reservas, aumentando as emissões, para ganhar lá na frente, com a escassez futuras, onde o espólio restante de petróleo valha milhões de vezes mais...É o que chamam de mercado futuro...

Esse é o aspecto financeiro-ecológico da questão, sem considerarmos que reservas de energia não podem ser NUNCA alienadas, sob pena de aprofundarmos uma dependência desnecessária e INDESEJÁVEL...

Bom, mas aí assistimos a porcalista míriam leitoa escrever loas e loas a defesa do ambiente, e logo depois, cerrar fileiras com as "Grandes Irmãs" no ataque às nossas reservas(As sete maiores empresas privadas de petróleo do mundo)...


..........................................................


A reserva do pré-sal é fundamental para que o Brasil redefina, com os lucros dessa exploração, a sua posição do cenário geopolítico, e mais: reestruture sua matiz energética, financiando a pesquisa e inovação das energias alternativas e "limpas", bem como possibilitando que o lucro da Petrobrás, em parte, seja convertido em ganho social, com a adoção e financiamento de uma cultura sócio-ambiental sustentável e responsável...

Enfim, é impossível que um governo, esse e os próximos, assumam compromissos de controle das emissões de carbono, em grande parte oriundos da queima de petróleo, e entreguem o controle das fontes emissoras(petróleo)a empresas privadas e a lógica do mercado...

Isso, os porcalistas da mídia, e seus "especialistas e acadêmicos de coleira" não dizem...

Nenhum comentário: