sexta-feira, 29 de abril de 2011

Agrovila ou campo de concentração...?


A História é ótima professora, mas é verdade que sua leitura pode obedecer a filtros de quem a interpreta...Inegável, portanto, que nossas experiências passadas podem nos ensinar a evitar erros futuros...

Na maioria esmagadora das vezes que o poder público, engalfinhado com os interesses privados ligados a concentração de propriedade na ocupação do solo(e na respectiva especulação imobiliária que tal medida acarreta), promove intervenção para reunir e segregar populações em espaços delimitados, chamados conjuntos habitacionais (nas cidades) ou agrovilas(no campo), onde houve um deterioração da qualidade de vida, provocados pelo adensamento indesejável, distanciamento e dificuldade de acesso, desrespeito a ocupação baseada nos laços culturais e políticos da comunidade, ainda que, no início, certos aparelhos urbanos dessem a impressão de harmonia, mas que na verdade, obedecem a lógica de "higienização", tese cara às elites...

Uma uniformização das moradias visa "pasteurizar" as diferenças das comunidades, e ceifar-lhes sua identidade, padronizando pessoas e matando a diversidade das vizinhanças...Que no fim das contas, é o que lhes dão vida...

São como campos de concentração modernos, e cuja proposta como solução vem sendo atacada pelos urbanistas mais antenados com o interesse público...
Essa mudança se observa no modo de financiamento das moradias para pessoas hipossuficientes, alocando os recursos diretamente ao mutuário/morador, para que faça as mudanças/reformas/construções desejadas no imóvel, restringindo a intervenção pública a formatação de normas e assessoramente técnico e na melhoria dos serviços públicos disponíveis: coleta de lixo, esgotamento sanitário, etc...

Uma forma muitíssimo mais barata, pois elimina os lucros e malversação de verbas, resultado de licitações viciadas e o superfaturamente de material de péssima qualidade, entregue pelos empreiteiros...

Para esse problema devem estar atentas as autoridades e a comunidade de SJB que será atingida pelos empreendimentos do Porto do Açu...

Se não se cuidarem, perigam acabar em algum tipo de "campo de concentração"...


Foto: Portão de entrada de Auschwitz
com os dizeres: O trabalho liberta (Arbeit Macht Frei)

2 comentários:

Blog da Gal disse...

ADOREI QUE VC VOLTOU!!! VC NAO IMAGINA A FALTA QUE VC ME FEZ... SUCESSO! AMO TEU BLOG! BJS gAL

xacal disse...

Obrigado pelas palavras carinhosas...é isso que nos motiva...