segunda-feira, 2 de maio de 2011

Sobre Carnaval: pão para alguns, e circo para outros...!

O velho ditado romano que resumia o entendimento que os administradores de Roma tinham de sua relação com o povo, e como esse povo deveria ter suas demandas tratadas, deve ser adaptado por aqui, em garotinópolis:

É pão para os que vivem pendurados nos favores e esquemas, e circo para quem acredita nesse modelo de gestão que arrasta essa região para o buraco há 20 e poucos anos...

Eu dei uma olhada nas páginas dos dois jornais da cidade, agora que ambos usam as coleiras da secretaria de propaganda, passeei pelos blogs, posts e comentários, e constatei: Há duas cidades diferentes, e isso é possível, na medida que o discurso revela, não só a expectativa que cada setor tem com a cidade, mas também os filtros que utilizam para enquadrar essas expectativas...

Logo, é possível que os desfiles realizados na Alberto Lamego tenham algum mérito, e não sejam a expressão fiel das críticas que li...Como também é possível que o espetáculo não tenha sido toda a maravilha cantada e decantada pelos jornalistas de coleira...

Então como solucionar esse dilema...?

Bom, para começar é necessário dizer que o debate está deslocado: Não se trata de discutir Carnaval, porque o evento desse final de semana não é, nem nunca será Carnaval...

Deixemos de lado a descontextualização temporal (data), e atentemos para a natureza da manifestação cultural per si(adoro esses termos que dão um verniz pseudo-intelectual)....

Não há, antropologicamente falando, nenhuma manifestação cultural popular que seja assim considerada, se a sua existência estiver subordinada e condicionada a verba pública e ao dirigismo estatal...

Assim, os desfiles que aconteceram nada mais foram que um arquétipo, uma representação (e esteticamente mal feita) do que seria a reunião de comunidades em torno de agremiações para promover o espetáculo, que no fim das contas, é a consagração final de um longo e complexo de processo criativo, que dura o ano todo, e que cataliza as capacidades dessas comunidades, sua história e tradições, suas inovações, disputas, conflitos e consensos...

A presença de agremiações de "fora", ao invés de um saudável intercâmbio, assumiu cores de principal atração, que eclipsou a pobreza local, dando mais tintas ao quadro surreal e artificial montado pela municipalidade, que não consegue acertar a mão, e promover manifestações culturais (como o Estado deve fazer) sem influenciar ou funcionar como única fonte de financiamento...não consegue, ou não quer...?

Alguns episódios, que poderiam ser chamados de incidentes menores, no caso de garotinópolis assumem contornos hilários, mas fundamentais para entender o triste fenômeno, como o fato de garçons atravessando a pista, sob os protestos e xistes da patuléia, para servir o camarote dos "vips"...

Cronometragem de milhares de reais para auferir o que todos sabem há anos: quase todo o espetáculo atrasa, por incompetência da organização e das agremiações...

Outro descabimento incrível: o desfile de um bloco evangélico...????

Longe de nós defender que Carnaval é uma festa onde cristãos ou quaisquer outro tipo de fiéis devem estar de fora...
Mas o que, supostamente, pode ser "vendido" pela propaganda oficial como "tolerância" é uma aberração, pois sabemos todos que a essência do Carnaval é ser uma festa pagã, onde os símbolos religiosos só entram pela porta do humor e da crítica, ou como alegoria de algum enredo para contar alguma história...e nesses casos, quando há algum tom crítico, a intolerância religiosa sempre procura um jeito de censurar essas menifestações, como no caso célebre do Cristo de Joãsinho Trinta, quando era carnavalesco da Beija-Flor com o enredo Ratos e urubus rasguem minha fantasia...

Aceitar um bloco evangélico em desfile é como impor aos cristãos que recebam uma escola de samba, com ala das baianas, mulheres semi-nuas e outros símbolos da Umbanda em alguma festa cristã...

Tudo isso só revela o quanto nossas "autoridades" em cultura estão perdidos...Confundem ecletismo com promiscuidade de manifestações, apoio estatal com dirigismo...cultura popular com vulgaridade...negócios privados com interesse público, e enfim, transformam uma de nossas mais lindas festas em um circo de horrores...

Tudo, é claro, com o dinheiro dos contribuintes...

2 comentários:

Anônimo disse...

Talebans paquistaneses aliados da Al Qaeda prometem vingar a morte de Bin Laden

Os talebans paquistaneses, aliados da rede terrorista Al Qaeda. prometeram vingar a morte do seu líder, Osama bin Laden, morto em uma operação americana na madrugada desta segunda-feira, no Paquistão.

"Não podemos confirmar o martírio de Osama Bin Laden, quando nossas próprias fontes confirmarem estaremos em condições de afirmar outra coisa", disse o porta-voz do Movimento dos Talebans do Paquistão (TTP), Ehsanullah Ehsan, em uma entrevista por telefone à AFP.

"Se conheceu o martírio, vingaremos sua morte e lançaremos ataques contra os governos americano e paquistanês, assim como contra as forças de segurança, inimigos do islã", disse Ehsan.

O TTP prometeu lealdade à Al Qaeda em 2007 e no mesmo ano declarou a jihad (guerra santa) no Paquistão, cujo governo foi acusado de apoiar os Estados Unidos na luta contra o terrorismo.

xacal disse...

putz, que saco...

a partir de agora, o comentário desse tipo (automático), que é publicado com spam em vários blogs, não mais serão aceitos...

bin laden com carnaval é dose...

vão dar o c...para o capeta...!