sábado, 11 de junho de 2011

Nosso cocô vale ouro...

Nessa cidade, onde a administração cheira mal, e boa parte de nossas lideranças não valham o papel higiênico que usam, o cocô é uma ótima oportunidade de negócio, senão vejamos...

A empresa de águas e esgoto cobra, pontualmente, todo mês, os serviços de esgoto de quase toda a população, embora ofereça esse serviço a apenas 39% da população (IBGE-Censo 2010)...

Então, aonde será que vai parar essa titica toda...? Mistérios da planície...?

2 comentários:

Anônimo disse...

O 'X' do negócio
MMX, de Eike, paga 20.500% mais caro por terras de autoridades da cidade onde fará seu porto

A escolha de Itaguaí, a 73 quilômetros do Rio, para abrigar o Superporto do Sudeste, da MMX do empresário Eike Batista, representou a arrancada do município rumo ao progresso. Um ano após o início das obras, porém, poucos são os moradores já visitados pela prosperidade. Entre eles, destacam-se os pequenos empresários Alexandre Valle e Alexandre Oberg. Certidões extraídas de um cartório local revelam que a dupla precisou de três meses para lucrar R$ 10,250 milhões com a compra barata e venda posterior de uma área para o projeto do megaempresário, informa reportagem de Chico Otavio..

Se Valle e Oberg fossem apenas pequenos empresários, teria sido um negócio da China. O problema é que a dupla é também autoridade pública. Alexandre Valle é o secretário municipal de Indústria, Comércio e Turismo de Itaguaí. Considerado o braço-direito, foi tesoureiro das campanhas eleitorais do prefeito Carlo Busatto, o Charlinho (PMDB). Alexandre Oberg é o procurador-geral do município. Além de pertencer ao comando político da cidade, responde pelo exame de todos os negócios municipais.

A transação imobiliária envolveu três terrenos, no total de 40 mil metros quadrados, na bucólica Ilha da Madeira, comunidade de pescadores escolhida para sediar o superporto. De acordo com as certidões de matrícula expedidas pelo 3 Ofício do Registro de Imóveis de Itaguaí, as propriedades foram vendidas pelos herdeiros do comerciante Azizi Abrahão, em setembro do ano passado, por R$ 50 mil, a três empresas: a KOF Empreendimentos e Participações, de Oberg, a Schulter do Brasil Empreendimentos e Participações, de Valle, ambas constituídas dias depois da compra, e a FLR, de Fernando Azevedo Ramos, um dos antigos sócios da pedreira local, também vendida a Eike.

As mesmas certidões, com o histórico dos imóveis, atestam que a KOF, a Schulter e a FLR venderam em dezembro os terrenos da família Abrahão para a MMX, atual responsável pela execução do projeto, por R$ 10,3 milhões, uma valorização de 20.500%. Os imóveis serão destinados à ampliação do pátio de estocagem de minérios, que terá, com a aquisição, a sua capacidade dobrada para 100 milhões de toneladas anuais.

Anônimo disse...

TÁ BOM CHATO ANÔNIMO. E A HISTÓRA DO COCÕ TB QUERO SABER. AFINAL PAGAMOS PARA A MERDA DE CONCESSIONÁRIA O DOBRO NA FATURA PARA TRATAMENTO DO ESGOTO PARA QUE O COCÔ VÁ SEI LÁ PRA ONDE...A CULPA É DA PREFEITA!