segunda-feira, 4 de julho de 2011

página virada...um programa educativo de sinal trocado...

O programa página virada, hospedado na rádio educativa da fafic, deve ser fruto de alguma experiência pedagógica negativa...

Explicamos: a pedagogia positiva ensina pelo bom exemplo...A pedagogia negativa ensina, mostrando o que não se deve fazer...o não-exemplo...

Só isso explica a existência de tal programa...Vamos a dois estudos de casos:

1. Pau que dá em chico nunca dá em francisco...


No programa de hoje, os radialistas de coleira e seu aprendiz de feiticeiros desceram a lenha no comportamento impróprio do governador cabral...
Ótimo, estão mais do que certos, afinal, um governador, nem seus parentes (nesse caso, o filho), devem manter relações incestuosas com o patrimônio dos empresários que têm alguma relação com o Erário, ou gozam de favores fiscais, etc...
Mas qual não foi a nossa surpresa ao (não)ouvir palavra sobre o caso do príncipe-regente-napoleão, flagrado em um carro da empresa que mantém contrato milionário de terceirização com a pmcg, comandada por sua ilustre genitora...Ao ouvir o programa, o aluno do curso de jornalismo poderá ter uma baliza para escolher sua ética profissional, ou a ausência dela, se imitar seus "professores"...


2. A culpa é da camareira...

No caso do "falso" abuso sexual, onde o diretor gerente do FMI foi acusado de molestar uma camareira, eu fiquei, outra vez surpreso...
Na ocasião, esse blog escreveu algo sobre o assunto, aqui...


A possibilidade de armação, agora adotada como versão oficial pelas autoridades novaiorquinas revela o açodamento e o mal uso da informação, e podem estar relacionadas com a posição do acusado...Mas nem tanto, nem tampouco...
Se a camareira mentiu e poderia acusar em troca de dinheiro, por que não poderia estar a fazer o contrário, ou seja, mentir para inocentar...????
Mas ventilar essa possibilidade seria exigir muito dos patetas do rádio...


No entanto, o que me estarreceu foram duas coisas: 
a) Nada mencionaram sobre a possível impostura da imprensa e suas relações com os interesses que poderiam ter armado contra o acusado, quer dizer, deixaram de "ensinar" em uma rádio educativa como a manipulação pode ser perigosa...Seria medo de um mea culpa...??? Quem sabe...???
b) Porém, como eles sempre se superam, o pior ficou para o final, quando mantiveram o mesmo discurso machista que criminaliza a vítima (que agora é tida como caluniadora), como se o abuso dependesse da condição hierárquica social, ou por uma questão de "mercado", quer dizer, quem tem dinheiro para comprar favores sexuais raramente seria um tarado abusador, ou seja: abuso é coisa de bárbaros pobres que não tem como satisfazer suia lascívia com profissionais do sexo... 

Eu ouço esse pessoal reivindicar algum respeito, mas eu pergunto:
Como...??? Se quando abrem a boca desrespeitam a si mesmos...????

Um comentário:

Anônimo disse...

Por mais que se tente achar algo de bom nessa cidade, caro Xacal, tudo sempre acaba numa enorme perda de tempo.Só nos resta fechar a porte, irmos embora e que o ultimo apague a luz. rs..